Declaração de artista

Três palavras resumem meu trabalho: Corpo, movimento e transformação. Após a separação de um casamento de quase 30 anos, comecei a levantar questões sobre a visão da sociedade patriarcal, a objetificação, o silenciamento e o apagamento da mulher, e o corpo neste contexto. Retomei um contato próximo com meu corpo e mergulhei em um universo que estava adormecido. Pude entender melhor minha formação e o relacionamento que vivia e comecei a estudar feminismo. Minha experiência de vida e a busca pela cura permeiam meus processos artísticos, onde procuro levantar questões sobre as imposições do modelo social em que vivemos.

Gosto de explorar diferentes meios em meu trabalho para divulgar minha mensagem. Interesso-me por dualidades e procuro abordar temas delicados de forma não agressiva. Intrigar, criar algum desconforto e gerar curiosidade são objetivos que procuro nos meus trabalhos. Quero gerar reflexões, fazer as pessoas pensarem.

Atualmente trabalho com vídeo e foto performance, fotografia, pintura, escultura e instalações. Relaciono tinta, cabelo, sisal, pedras, água, argila, elementos da natureza com o corpo. E esses elementos aparecem no meu trabalho de diferentes maneiras. Muitas vezes utilizo meu corpo como meio para provocar sensações, reflexões e estimular mudanças.

Bio

Liane Roditi (1967) é carioca, bailarina e artista visual, vive e trabalha no Rio de Janeiro.

Sua pesquisa parte da observação do corpo, movimento, transformação, suas vivências em sociedade e a busca de cura. Levanta questionamentos sobre a visão de uma sociedade patriarcal, a objetificação, o silenciamento e o apagamento da mulher, e o corpo neste contexto. Seu trabalho se desdobra em vídeo performance, fotoperformance, fotografia, pintura, escultura e instalações. O movimento Barroco tem influência na estética dos seus trabalhos pela dramaticidade, dualismo, luz e sombra, assim como artistas como Ana Mendieta, Francesca Woodman e Tunga.

É graduada em Dança pela Faculdade da Cidade, estudou na Escola de Belas Artes da UFRJ e frequenta diversos cursos na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Atualmente faz parte do Grupo de Artistas Feministas coordenado por Talita Trizoli, e do Grupo de Acompanhamento de Artistas do Hermes com Marcelo Amorim. Participou do programa de formação profissional para artistas da Galeria Tato, Casa Tato 6, de São Paulo, e do Grupo de Acompanhamento de Artistas com Lucas Benatti e Mariana Leme – SP em 2022.

Participou de exposições coletivas, tais como: “Cama de Gato”, Hermes, SP, curadoria de Carla Chaim, Marcelo Amorim, Nino Cais, 2024; “Corpo: Entre Suporte, Gesto e Dispositivo”, Fonte, SP, curador Mario Gioia; “Caleidoscópio em Movimento – Entrelinhas do Cotidiano ” no Centro Cultural dos Correios RJ, 2024; “Afetos Insurgentes: Corpos em Conexão”, Centro Cultural dos Correios, RJ, 2023; “Corações à Desmedida” no Solar do Abacaxis – RJ, em homenagem à Rochelle Costi, 2023; 1º Performa no Espaço Apis, 2023; “Paralela Eixo”, da Galeria Eixo Reserva em Niterói – RJ; “O banquete: oferendas de amor” – Programação paralela ArtRio – RJ, 2022; 1º Festival Lux de Performances – Lux Espaço de Arte – SP, 2022; “Cara a Cara” – Galeria Tato – SP, curadora Paula Borghi, 2022; “Encontro às cegas”, curadora Paula Borghi , 2022 – Galeria Tato – SP, 2022; FIDS 2ª Edição – Festival Internacional Denise Stoklos de Solo Performance, 2022; “Processos Criativos – Desdobramentos de uma residência artística” – Galeria Tato – SP, curadoria Priscila Arantes e Paula Borghi, 2021. Participou das seguintes residências artísticas: Canteiro, SP, 2024; Terra Afefé com Rose Afefé, BA, 2023; Casero Residência com Patricia Stagi, Parque Nacional do Itatiaia, RJ, 2023; “Potencializar a vida” – Kaaysá Art Residency e Potência Ativa com curadoria de Paula Borghi, São Sebastião – SP, 2022; Galeria Tato e Kaaysá Art Residency com curadoria de Priscila Arantes e Paula Borghi, São Sebastião, SP, 2022; Práticas para sustentar a imprecisão – Parte do projeto h e t e r o l ó g i c a, contemplado pelo ProAC 37/2020 “Produção e temporada de espetáculo de dança com apresentação online”, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, via Lei Aldir Blanc. São Paulo, Brasil, 2021